Ronaldo

 

Nem tudo que reluz é ouro. (Mas reluz!)



Textos

    Marcas do que se foi...

      O último dia do ano… é como varrer o lixo de uma chiquérrima festa de três centenas e meia de dias de duração: cacos de vidro, confetes e serpentinas e máscaras (não obrigatórias, lógico), joias perdidas, velas derretidas, bexigas coloridas e murchas… das variadas migalhas de porções de petiscos, a vômitos dos bêbedos descompassados, plásticos, um pé do par de salto alto quebrado, mostrando que o DJ arrasou, aliás isso nem é notado, o importante é o “batidão alucinante”; tocos de baseados de queimar dedos e tubinhos de inalar cocaína. Tem garrafas de conteúdo de todos os gostos, latas de bebidas energéticas, taças, celulares, carteiras cheias, cadeiras e mesas reviradas…
     Nem se pensa em Deus, nem um Terço...
     Último dia do ano! Você é o faxineiro… algumas coisas você agradecerá a Deus por tê-las achado, outras você irá devolver ao dono da festa..
     Tão variada sobra, acumulada num espaço físico e de tempo, que daqui a pouco estará limpo e promissor! 
     Assim foi o ano que se finda, com todos os seus percalços. 
     Agora, você é o faxineiro, você é quem decidirá o que é realmente lixo, o que você irá aproveitar e ainda tem o que você mesmo poderá reciclar...
     As escolhas são suas, tão somente suas, boa faxina!
     Feliz Ano Novo! 
Ronaldo Aparecido Silva
Enviado por Ronaldo Aparecido Silva em 31/12/2020
Alterado em 31/12/2020


Comentários


 
Site do Escritor criado por Recanto das Letras