Ronaldo

 

Nem tudo que reluz é ouro. (Mas reluz!)



Meu Diário
13/12/2019 09h55
Falsos aromas...

Falsos aromas...

O amor que seduz 
Vem em forma de cruz
E prenúncio de dores...
E ao calvário conduz,
Por um beco sem luz,
A um altar de horrores...

Esse amor é profano,
Se nutre no engano
E se coloca em andores... 
Um amor tipo cigano,
De teor bem leviano,
Predador de outros amores.

Um amor intempestivo,
Essencialmente explosivo,
Quando não é corrosivo, 
Tem no tempo a ignição...
Ilusório lenitivo,
De sabor tão atrativo! 
O império da ilusão.

Amor que cega e até mata,
Que sufoca e não dilata,
A paixão lhe é inata,
Pai e mãe do vil ciúme...
Amor que desacata,
A tudo e a  todos maltrata, 
Com o seu maldito perfume.


Publicado por Ronaldo Aparecido Silva em 13/12/2019 às 09h55
 
13/12/2019 05h10
Disfunção.

Disfunção.

O ser proativo:
É aquele que sabe de tudo que é favorável ao seu intento, então, passa a preocupar-se em listar, minuciosa e formalmente, todas as variáveis adversas, com o fim, não de totalmente eliminá-las, mas minimizar os seus nocivos impactos, é aquele que “não” se sobressai no “staff”, pois lida com a subjetividade, com prevenção.
O ser reativo:
É aquele que demonstra incapacidade de planejar, aquele que só reage às adversidades depois de explicitadas, depois da terra arrasada, o que por consequência exige hercúleos esforços para a remediação, é aquele que mais alardeia e, por incrível que pareça, é aquele que, no “staff”, é o mais glamourizado.


Publicado por Ronaldo Aparecido Silva em 13/12/2019 às 05h10
 
12/12/2019 04h39
Súplica.

Súplica.


     Senhor, livrai-me dos temores e da covardia! 
     Sei que Vosso jugo é leve e que para a alma é
também depurante; por isso Vos peço, Senhor,
para que eu possa com honra merecer Vossos
desígnios, que eu tenha dignidade o suficiente,
para suportá-los e ao mesmo tempo bendizê-los,
sem as deploráveis e inconcebíveis lamúrias, tão
inerentes aos desditosos e, aos de Vós,
contumazes arredios.


Publicado por Ronaldo Aparecido Silva em 12/12/2019 às 04h39
 
12/12/2019 04h34
Um outro sol.

 



Um outro sol.

Recolha as tuas palavras,
Só as use para a caridade,
Não torne tua alma escrava,
Pratique o bem de verdade...

Vigie os teus pensamentos,
Só os use para boas obras,
Evite os inúteis lamentos,
Você tem bondade de sobra...

Das coisas de vez desapegue,
Use-as no teu adiantamento,
Seu tesouro do céu jamais negue,
E nem ao teu próximo o alento...

Liberte-se do teu invólucro, 
Suba a mais alta montanha,
Afaste-se desse sepulcro, 
É a tua alma quem ganha...

Dispa-se dos maus instintos,
Que te iguala aos vis animais,
Afasta-te dos letais labirintos, 
E dos traiçoeiros punhais...

Esteja envolto em puro amor, 
Seja a aura que a tudo permeia, 
Seja o antídoto de todo rancor,
Seja a luz que a tudo clareia,
Seja sol onde falte o calor,
Seja o bem que jamais escasseia.

 


Publicado por Ronaldo Aparecido Silva em 12/12/2019 às 04h34


 
Site do Escritor criado por Recanto das Letras