Ronaldo

 

Nem tudo que reluz é ouro. (Mas reluz!)



Textos

     Imorredouro.

     Sóis e luas se revezam, num misterioso palco que se acende e se apaga, em dias e noites… crepúsculos prenunciam entardeceres e alvoreceres, num providencial ciclo de esperança, a traduzir eternidade…
     Folhas caem e fertilizam o entorno, para uma sempre vindoura e promissora primavera…
     As aves migram e procriam, os peixes vencem correntezas e desovam…
     Aos que o fardo não suportam - seleção natural… são chamados a buscarem mais forças… mais tarde, pacientemente retornam...
     As estações são pontuais e nos dizem que tudo tem o seu tempo certo, de se ir e de renascer…
     Tais cenários e fenômenos ao Espírito se submetem e o servem, e o Espírito, assim, transcende, “numa boa”...  e voa… voa… e quando se pensa que ele pereceu na emblemática e fronteiriça linha do horizonte da existência, na verdade, ele foi apenas dar um tempo...
Ronaldo Aparecido Silva
Enviado por Ronaldo Aparecido Silva em 10/12/2020
Alterado em 10/12/2020


Comentários


 
Site do Escritor criado por Recanto das Letras