Ronaldo

 

Nem tudo que reluz é ouro. (Mas reluz!)



Textos

Falsos aromas...

O amor que seduz 
Vem em forma de cruz
E prenúncio de dores...
E ao calvário conduz,
Por um beco sem luz,
A um altar de horrores...

Esse amor é profano,
Se nutre no engano
E se coloca em andores... 
Um amor tipo cigano,
De teor bem leviano,
Predador de outros amores.

Um amor intempestivo,
Essencialmente explosivo,
Quando não é corrosivo, 
Tem no tempo a ignição...
Ilusório lenitivo,
De sabor tão atrativo! 
O império da ilusão.

Amor que cega e até mata,
Que sufoca e não dilata,
A paixão lhe é inata,
Pai e mãe do vil ciúme...
Amor que desacata,
A tudo e a  todos maltrata, 
Com o seu maldito perfume.




 
Ronaldo Aparecido Silva
Enviado por Ronaldo Aparecido Silva em 13/12/2019


Comentários


 
Site do Escritor criado por Recanto das Letras