Ronaldo

Nem tudo que reluz é ouro. (Mas reluz!)

Textos

Tanto querer!

Eu quis conferir o pote de ouro
no fim do arco-íris;
Eu quis incandescer a fraca luz,
lá do final do túnel;
Eu quis responder acertadamente
a douta esfinge;
Eu quis levar para casa
a frágil caixa de Pandora;
Eu quis furar o túnel que daqui
chega ao Japão;
Eu queria injetar vida no já morto 
corpo de Inês;
Eu quis engordar, para pelo menos
ser rei Momo;
Eu quis parar o mundo 
nos tempos da felicidade;
Eu quis, em um oráculo,
com os deuses conviver;
Eu quis pentear os cabelos
da górgona Medusa;
Eu quis habitar toda a Terra,
tal  qual andarilho errante; 
Eu quis esconder o Veio de Ouro,
em angras claras e rasantes; 
Eu quis ser hábil argonauta
em mares tão de mim distantes 
Eu quis ser Davi,
sem jamais escrever Salmos;
Eu quis ser um dos Titãs, 
sem o mínimo poder;
Eu quis ser feliz,
mesmo em insanas fantasias;
Eu quis beber da mesma safra
que o sedento Baco bebia; 
Eu quis ser imortal  
como o são meus Orixás;
Eu quis organizar o Caos, 
logo após o “Big Ben”; 
Eu quis ser filho do sol
e herdar o que ele tem 
Eu quis tanto, no direito
de tudo querer;
Tudo isso para ser o deus,
que fosse o único a te ter.
Ronaldo Aparecido Silva
Enviado por Ronaldo Aparecido Silva em 11/08/2017
Alterado em 12/08/2017
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras