Ronaldo

Nem tudo que reluz é ouro. (Mas reluz!)

Textos

À benção, pai!

Quantas saudades tenho das tuas estórias 
Quando eu dormia ao grave tom de tua voz
Momentos presos juntos às minhas memórias 
E que se soltam quando eu estou a sós.

A saudade traz um pouco do teu cheiro
Dos teus trejeitos e teus modos de expressar 
E de repente o tempo se faz mensageiro 
Dessa saudade que, de tanta, faz chorar.

O tempo passa mas não leva essa saudade
Pelo contrário ela não para de aumentar 
Pois foi de ti que eu herdei simplicidade
E a coragem para a vida enfrentar.

Como eu queria receber a benção tua 
E novamente a tua mão poder beijar
A tua ausência torna a vida nua e crua
Mas certamente um dia juntos vamos estar.

Eu te recordo na beleza das canções 
E normalmente, após uns copos de cerveja
Mas eu também de ti recordo em orações 
Quando daqui eu peço a Deus que te proteja

Hoje saudoso comemoro o teu dia
A ti querido eu ofereço esses meus versos
Que eles te encontrem radiante e em harmonia
Na mansidão do Excelso Pai do Universo.





 
Ronaldo Aparecido Silva
Enviado por Ronaldo Aparecido Silva em 08/08/2017
Alterado em 08/08/2017
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras