Ronaldo

Nem tudo que reluz é ouro. (Mas reluz!)

Textos

Boa tarde! 

Ode ao Sol.

Quando o sol desponta no horizonte,
Agradecidos os pássaros gorjeiam,
Nas sombras lá de trás dos montes,
Seus sonhos os homens ali semeiam.

O sol doura o céu que se faz ribalta,
O proscênio taciturno fica mais bonito,
A alegria assume cenários e pauta, 
O palco se torna um altar de mitos.

O homem é feliz em miúdas cenas,
Frutos dos dilemas que lá atrás viveu,
Como eterno escravo de tuas melenas
Será fadado aos tramas, que viveu Perseu.

Quando o sol desponta lá no horizonte
É sinal de vida e muitos renasceres, 
Sua realeza traz  em si funções de ponte,
A unir os planos fatiados por seus seres.

Quando o sol desponta tal qual um rebento
O coração do homem torna-se esperança.
De quinta grandeza , luz do firmamento,
Renova o mundo, como uma criança.

Quando surge o sol assanha a natureza  
Alegram-se as espécies, fazem carnaval 
Desfila o mundo em corsos de beleza 
Num despir momesco à luz tão natural!

Aplausos e vivas, dirigidos ao Rei Sol,
Num desfile etéreo, com enredo à eternidade
Ao ignorar ocasos e só viver o arrebol,
O sol será calor e luz, prenúncio de felicidade. 

O que mais dizer dessa estrela,
Onde plasmam Cristandades?
A não ser só bendizê-la
E aclamá-la Majestade!

(Ronaldo Aparecido Silva)
Ronaldo Aparecido Silva
Enviado por Ronaldo Aparecido Silva em 07/08/2017
Alterado em 14/08/2017
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras