Ronaldo

Nem tudo que reluz é ouro. (Mas reluz!)

Textos


 As estações do homem.

A natureza se desfaz e se refaz. 
A existência se eterniza em ciclos e intervalos.
O homem flutua no lógico, num raciocínio estritamente material, portanto, limitado, mas que o apraz e o determina.
E assim, tudo é mistério e a humanidade se contenta com as alienantes respostas que não se situam além dos narizes.
Tudo é cíclico, cenários e atores, exceto o Idealizador.
Peças, atos, bastidores e enredos fracionam a essência humana em artes, sem no entanto desvendá-la.
Dos ensaios raríssimas lembranças, um falso ineditismo que motiva o avanço.
Toda matéria se esvai, apenas a matéria.
Na verdade,o Espírito e natureza fundem-se e nos confundem em complexos sistemas e padrões, a limitar o ilimitável.
Até os trinta anos o homem vive a sua primavera,
Renasce no hausto divino, anunciado em choros e flores
E aos poucos amadurece.
Estação dos aromas, da beleza, da juventude,
Quando é tanta energia, que dias e noites se igualam em duração e haja desperdícios...
Quando a temperatura e a paisagem exalam odores de cio, arrebatam cópulas, germinação, risos e assanhos…
E, nem por término, sabe-se se noites vividas foram ganhos ou perdas.

Dos trinta aos sessenta, a paixão aumenta,
O homem vive o seu verão, o sol mais próximo a fritar cérebros e despir corpos,
Os dias são maiores e, às vezes, faz-se necessário a chuva,  para refrescar o homem e umedecer o solo,
É o auge do homem…
A proporção entre dia e noite resulta em muito mais atividades e menos descanso, os dias são bem maiores, 
Contudo, significa também, o despontar do crepúsculo.
Além dos narizes, o homem é a sua fé.

Primavera e verão, intensa reprodução, quando o sol protagoniza o aquecer e iluminar tudo, como que num larguíssimo sorriso, tornasse o mundo mais insinuante e envolvente.

Dos sessenta anos ao término do ciclo, o homem vive as duas restantes estações.

No outono, menos chuva, as folhas caem, grisam-se os pelos, colhem-se os frutos, começa-se a predominância da noite, do frio,.. 
É o tempo da reflexão, de buscar lembranças, de rir das lambanças, voltar ser criança, de dosar a tensão. 
Até que chega o inverno.
Hibernação, migração, congelamentos, descansos, tudo em tons de fim. 
Noites enormes e frios paralisantes. 
Estação da razão, da preparação para o novo ciclo. Repõe-se as energias, as folhas que lá no outono caíram, fertilizam, viabilizam o solo, para o reflorescer.
O inverno recolhe o espírito para o necessário e natural refazimento, para a reprogramação, quando o homem tem capacidade de escolher como e quando renascer e de agradecer ao Criador pela empolgante aventura.

Ah, como tudo é tão didaticamente inexplicável e tão saborosa e misteriosamente digerível!
É tudo muito mais que fantástico! 
É,por enquanto, inefável.

 
Ronaldo Aparecido Silva
Enviado por Ronaldo Aparecido Silva em 21/07/2017
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras